Volte ao SPIN

SPIN01 SPIN02 SPIN03 SPIN04 SPIN05 SPIN06 SPIN07
SPIN08 SPIN09 SPIN10 SPIN11 SPIN12 SPIN13 SPIN14
SPIN15 SPIN16 SPIN17 SPIN18 SPIN19 SPIN20 SPIN21
SPIN22 SPIN23 SPIN24 SPIN25 SPIN26 SPIN27 SPIN28
SPIN29 SPIN30 SPIN31 SPIN32 SPIN33 SPIN34 SPIN35
SPIN36 SPIN37 SPIN38 SPIN39 SPIN40 SPIN41 SPIN42
SPIN43 SPIN44 SPIN45 SPIN46 SPIN47 SPIN48 SPIN49
SPIN50 SPIN51 SPIN52 SPIN53 SPIN54 SPIN55 SPIN56
SPIN57 SPIN58 SPIN59 SPIN60 SPIN61 SPIN62 SPIN63

SPIN64 SPIN65 SPIN66 SPIN67 SPIN68 SPIN69 SPIN70
SPIN71 SPIN72 SPIN73 SPIN74

segunda-feira, 11 de junho de 2012

Fwd: Mensário de Marte, 2006. Capítulo 2.


Mensagem original
De: jose carlos lima < jose.carlos.lima@hotmail.com >
Para: jl2006@uol.com.br
Assunto: Mensário de Marte, 2006. Capítulo 2.
Enviada: 11/12/2005 16:08

Quem Sabe?

No momento são 00:45
Começo do dia 11 de dezembro
Vou deitar-me=dormir
Estou em processo para a construção do capítulo 2 desta obra
Pausa para dormir
Agora são 00:46




.................. PAUSA....................

No momento são 09:41, manhã de 11 de dezembro
Continuação do capítulo 2
Como dormi!
Se me lembro de algum sonho?
Sim
Sonhei=olhei=fiz uma performance que tinha a ver com repetição, o executar a
ação e repeti-la para ver o acerto, sei lá, a reação das pessoas, ou seja,
se alguém mantinha aversão com relação à ação do performer

Num outro mom ento, sonhei que minha mãe
Autoridade sim, mas amiga=aliada=protetora verificou se estava=está tudo bem
comigo
No sonho, ela vinha a todo momento à sala da casa para ver se eu já havia
ido dormir ou se estava no computador, ela me observava através de um vidro
que a transformava numa sombra

Quanto ao formato desta obra, não há nada definido
Nem tenho obrigação nenhuma
Posso passar os 70 capítulos sem nada escrever
Ao invés de escrever, tomar atitudes
Comprar um pedaço de bacalhau e fazer
Chamar os amigos
Há quem não escreva
Uns por sofrer de alguma doença
Outros porque escrevem devagar sendo até melhor ser assim
Veloc
De forma que esta obra é assim, aberta
Dentro da obra e, como parte da obra, posso assassinar alguém
Ou ser morto
Não há nada definido, a não ser a força da obra por si mesmo
Nada planejado
A obra termina no dia da minha morte
O meu velório será o the end=fim=epílogo da obra
Quero viver a vida ao invés de apenas estar na vida
Quero aproveitar, e muito bem, minhas pausas
Que tal usar uma pausa para ligar visitar um doente no hospital
Que tal parar de escrever, ou seja, dar uma pausa para amparar alguém que
pede socorro, participar de alguma associação filantrópica ou, quem sabe,
uma banda de música ou qualquer outro tipo de associação libertária, que tal
um encontro de amigos para brincar, contar piadas, jogar conversa fora?
E viver a vida implica em não apenas entrar em estados de
iluminação=alumbramento através da escrita
Viver a vida implica, antes de tudo, em viver realmente=materialmente
Implica em dar uma pausa para fazer uma faxina
Ir ao médico
Cuidar dos dentes
Aparar as unhas
Limpar o próprio corpo
Cuidar de si mesmo
Ser, antes de tudo, seu próprio amigo
Pagar as contas
Que tal tentar uma amizade com uma pessoa diferente de você, um deficiente
físico, um muçulmano, um evangélico, um católico, um ateu, etc.
Isto se chama, tomando as palavras do sociólogo Edson Passetti, professor
da PUC-SP, spin educadora, pessoa jurídica
Telefone para os amigos=aliados, gente diferente da gente, muçulmano,
evangélico, ateu
Que tal ser amigo de si, tomar um banho relaxante, praticar esporte
Que tal criar uma "semana da amizade" na sua cidade, uma semana de encontro
Um encontro para fazer coisa simples, como preparar um prato gostoso, nadar,
fazer ou apresentar um vídeo, um encontro como este que ocorrerá na casa de
Edson Barrus, um artista brasileiro radicado na França e, que por força do
encontro, está vindo para o Rio de Janeiro para o evento Açúcar Invertido,
uma semana da amizade, que vai de 12 a 17 próximo?

Ele me convidou para par ticipar deste encontro
Posso apresentar qualquer coisa simples
Não preciso ir de burca=burka islâmica cristã=islâmica
Posso ir com minha cara
Minha arte culinária
Posso ir com todos os meus defeitos
O acontecimento mais forte=significativo será o fato de as pessoas estarem
se encontrando no interior de um minúsculo=micro=macro
apartamento=apertamento
Ali as pessoas conversarão noite adentro
E dentro deste processo apresentarão suas obras
Qualquer coisa simples
como uma prenda=brincadeira
um deitar-se na rede
assim como agora
assim como estou neste momento
e como estou?
Legal, à vontade, usando uma marimba na cabeça
Você quer ver?
Um momento, vou gravar=enviei vídeo por e-mail
Não gravei, não sei se vou consegui
Vou tentar
Se eu não consegui, fica a tentativa como a obra=ação
Sim, pode ser obração
Como é bom obrar!!!!!
Obrar se e screve obrar=desenfezar
As pessoas andam tão enfezadas=estressadas!!!!
Vai ver que não estão cagando=olhando=sendo
Nos libertemos desta coisa horrorosa chamada falta de simplicidade
As pessoas se perdem em seus meandros
Buscam uma arte altamente cerebral=refinada
Quando na verdade é tudo tão simples
Você quer ver minha arte
Dirão: isto é arte?
A própria pergunta é, em si, uma obra
E por acaso você é destes que a arte morreu com Goya?
Você acha que Picasso foi o último artista a pisar na face deste planeta?
Depois de Van Gogh não veio mais ninguém capaz de transportar o outro?
Sim, transportar para outras realidades
E por acaso uma boa feijoada não nos transporta?
Claro que sim
Não somente a feijoada como também a amizade
O acolher o outro
Ouvi dias atrás uma pessoa me dizer que havia escutado da boca de uma pessoa
que mais importante do que aceitar ou tolerar o outro é acolher
Acolher o diferente
Ficar livre desta coisa horrorosa chamada arte=vida refinada=complicada
Que tal ir ao Açúcar Invertido da forma mais simples=livre possível?
Que tal não se estressar=complicar em função do martírio "como vou me
apresentar?"
Que tal ir e ficar em silêncio se for este o seu desejo?
Que tal escrever um capítulo chamado "em branco" e, neste capítulo, como o
próprio nome indica, nada escrever?
Somente pausas
Pausa para beijar
E há algo mais objetivo=certeiro que o beijo?
As palavras são imprecisas
As palavras não são precisas
Não são precisas as palavras
O beijo é preciso

Que tal fazer, todos os dias, um exercício chamado "exercício de amizade"
Sei lá, sair por aí à procura das pessoas que, por vários motivos, foram
deixadas para trás

Que tal refazer relacionamentos, reinventar casamentos, reconstruir
amizades?
Intriga=raiva=ódio pra que, a não ser isto foi necessário, como lição e,
jamais como coisa definitiva?
Porque não usar a sensibilidade para quebrar o gelo=intriga=infelicidade do
outro
Afinal de contas, podemos tudo
Só não podemos ser infelizes

Se para uns é um drama ser feliz, para outros é tão fácil
Se para uns é fácil fazer amizade, para outros é difícil, uma verdadeira via
crucis
Que tal reinventar a amizade?

Um momento....

Vou entrar no google para pegar a resenha de um livro que fala disso

No momento são 09:57

................. PAUSA................

Agora são 09:59

Então... fiz isto para=por você=mim. Entrei no google com o termo "etica dos
amigos", (x) somente sites em português

A seguir, a resenha=comentário acerca de um livro que fala=olha a=da
amizade

" A reinven ção da amizade

Por: Margareth Rago

Poucos duvidam de que ter amigos é um dos bens mais preciosos em nossos
tempos, marcados por muita descrença e insegurança. Ao mesmo tempo, quase
todos entendem que os amigos são poucos, defendendo-se para com os demais
uma relação de distância e desconfiança. Mal nos damos conta do modelo de
amizade que praticamos, modelo cristão pautado na família e confinado ao
privado, mesmo quando bradamos contra a destruição da esfera pública, a
privatização da vida social, ou a atomização do indivíduo.
Ainda recentes, as discussões sobre a difusão do modelo privatizado da
amizade, que associa o amigo ao irmão vêm, contudo, revelando que outros
modos de relação consigo e com os outros, fundados na solidariedade e no
respeito à diferença são possíveis. Mais que isso, são necessários para a
tão desejada reinvenção das formas da socia bilidade e da subjetividade.
É na direção dessas problematizações que o livro de Edson Passetti aponta,
aprofundando uma importante discussão ética da atualidade: as possibilidades
da amizade entendida como vida em expansão, ou como afirmação de existências
livres.
Professor de Ciências Políticas da PUC-SP, Passetti tem-se destacado pela
crítica ousada e pelo corajoso enfrentamento de temas políticos da mais alta
pertinência. Seu trabalho gira em torno da busca de um fundamento ético para
a reinvenção das relações intersubjetivas e associativas, assim como uma
reatualização do anarquismo, de modo a escapar da herança humanista do
passado.
Coordenador do Núcleo da Sociabilidade Libertária, do pós em Ciências
Sociais dessa Universidade, Passetti publica atualmente a revista Verve,
dedicada a temas libertários e é autor de vários livros e artigos referentes
à violên cia contra as crianças e ao abolicionismo penal.
Éticas dos Amigos pergunta pelas "invenções libertárias da vida", propondo
uma genealogia da amizade no pensamento ocidental, especialmente quando
formulada em relação às práticas da liberdade. Embora realize uma ampla e
erudita historicização dos múltiplos sentidos atribuídos à amizade desde a
Antigüidade clássica, seu principal alvo de investimento dirige-se à busca
comprometida das experiências outras das práticas da amizade, para além dos
conhecidos parâmetros do presente.
A amizade que Passetti elege não se refere, portanto, à relação confortante,
especular e íntima estabelecida entre iguais, através da qual reforçam a
própria identidade e excluem os diferentes. Nem tampouco à aliança
garantidora da paz perpétua promovida pelos Estados contra o inimigo comum.
Antes, trata-se da busca inquieta pelos vínculos intensos que viabilizam
associações libertárias, no presente, geradoras de estilos de vida
não-hierárquicos, como querem os amigos La Boétie, Nietzsche, Stirner,
Foucault e Deleuze.
DESASSOSSEGO – Ao questionar a frase canônica de Aristóteles — "ah, amigos,
não há amigos" —, Passetti afirma: "A mim tocou a frase de Nietzsche 'ah,
inimigos, não há inimigos', pelo desassossego que traz e pela bravura em
reconhecer no amigo o melhor inimigo, o guerreiro que desestabiliza mas não
destrói, em oposição à amizade como bem superior, pacificação do conflito
interno e exterior à cidade".
Acompanhado por esses filósofos, o autor visita epicuristas e estóicos,
diferencia La Boétie de Montaigne, chega a Nietzsche e aos anarquistas
clássicos, em especial a Max Stirner, evidenciando os elos que os aproximam,
ou diferenciam na reflexão sobre a amizade.
Com Foucault, encontra nos modos de subjet ivação dos gregos e dos romanos
experiências radicalmente diferentes da sujeição contemporânea: longe de
visar a produção dos "corpos dóceis" submetidos a um código moral
autoritário, eles cultivavam livremente os usos dos prazeres e os cuidados
de si. Relações de amizade se constituíam, pois, em experiências éticas que
almejavam a estetização da existência, em práticas da liberdade que
permitiam fazer do indivíduo um ser livre, capaz de se auto-governar, antes
mesmo de poder governar os outros e a pólis.
Vários capítulos compõem este ensaio lúcido e apaixonado, que discute
historicamente modos de coexistência, estilos de vida e formas da amizade,
convergindo para as possibilidades da criação de inúmeras "associações"
libertárias no presente.
É neste momento que o livro atinge seu ponto alto, ao fazer vibrar, ao lado
dos anarquistas clássicos, o pensamento de Stirne r, incompreendido em função
de sua defesa radical do individualismo. Novamente, a leitura irreverente de
Passetti subverte as imagens cristalizadas: ao contrário do egoísmo
narcisista que lhe é freqüentemente atribuído, a defesa stirneana do Um
aparece como condição de possibilidade da afirmação libertária da amizade
entre iguais, mas diferentes.
A ética proposta por Passetti supõe que "amigos libertários inventam
existências, abalam o indivíduo, a sociedade e o Estado." Em suas palavras,
"A ética dos amigos não é a ética da amizade, um procedimento privado da
moral. Ela é presente, é agora. Não é a ética da vida boa, hedonista e
feliz. Ela se instrui na convivência amistosa com os outros que partilham
deste estilo de vida como arte de viver. Não busca o universal, o idêntico
ou afinidades. Mas vitalidades, vontades de potência, combates e embriaguez
possíveis para faz er emergir subjetividades constituintes."
A esse trabalho se entrega também o autor, convidando-nos a estabelecer
laços libertários e horizontalizados de amizade, como inimigos e guerreiros
desestabilizadores, desejosos de criar e de se reapossar do mundo, aqui e
agora.
Margareth Rago é professora livre-docente do departamento de História da
Unicamp; tem diversos livros publicados, sendo o último Entre a história e a
liberdade – Luce Fabbri e o anarquismo contemporâneo (Unesp, 2001).

Fonte: Núcleo de Sociabilidade Libertária - Nu-Sol
Nu-Sol. Links. Contatos • Vídeos. ÁGORA NOTÍCIAS. - Nu-Sol em Santa Maria
[fotos].
postado em: 28/11/2005. - Movimento Anarquista Venezuelano. - Artivismo. ...
www.nu-sol.org

Um momento
Preciso sair agora
Vou à Feira Hippie
Não vou
Vou entrar no Google para pesquisar sobre o movimento hippie?
No momento são 10:07

....................... PAUSA................

Agora são 10:11
Entrei com "movimento hippie", com a opção ( x ) somente sites em português.

Ao invés de colar aqui o que achei interessante, que tal você mesmo fazer
sua pesquisa? É tão rápido!!!
Que tal ler um livro de verdade? Talvez o que existe disponível na internet
seja insuficiente para esclarecer suas dúvidas

Quem sabe

Engraçado... este capítulo deveria chamar-se "Quem Sabe"

Me lembrei de uma música com este nome. Foi gravada pelo Ney Matogrosso.
Trata-se de uma composição de....

Um momento....deixa eu ver na internet quem compôs

Pois será assim um dia

As pessoas serão livros reais=virtuais
De forma que na cidade=realidade de JL, J de João, José , Joaquim.... L de
Lutador, Libertário, etc, se o indivíduo quer ser saber quem foi alguém,
verifica o que ele deixou, ou seja, se ele deixou apenas ossos no cemitério
ou, além disso, deixou o conhecimento que nos religa=olha=é

Então vou ver quem é este que compôs "Quem Sabe"

Impossível saber... há mais de 2 milhões de itens.. entrei com a opção ( )
somente sites em português e, mesmo assim, deu isso tudo

Que tal entrar com o nome "ney matogrosso"?

Não

Não vou entrar no Google

O Google não é o único universo possível

Tenho o CD Pescador de Pérolas = Ney Matogrosso, onde consta a autoria desta
canção

Vou ligar a web cam

Vou mostra o CD para você

Ah,sim, o nome certo não é quem sabe mas "Quem Sabe?"

O autor é Antônio Carlos Gomes, mais conhecido como Carlos Gomes. Não falam
muito dele por ai não mas, ao morrer, deixou não apenas ossos no cemitério
mas , muita, muita coisa bonita

Que tal entrar no google com "antonio carlos gomes", com "carlos gomes",
quem sabe?

Ah, agora vou entrar com "quem sabe?" ao invés de "quem sabe"

Esta net é tão exata!!!!

Faltou o ponto de interrogação

Um momento....

Não adianta, o pc não reconheceu o meu ponto de interrogação

Então esqueça o que eu disse

Retificando

Vá às coisas reais
Não fique preso ao mundo da net=virtualidade=irrealidade, senão você não vai
chegar a lugar nenhum, a não ser ao fundo do poço
Seja real

Encontre-se com pessoas reais

Toque nos objetos
Que tal não ver como lixo sua velha coleção de vinil?
Não jogue no lixo

Se não tens espaço, doe para um museu=sebo de livros=discos=CD

Temos mania de jogarmos fora nossas velhas coisas quando, quem sabe?, elas
poderiam se r úteis a água

Dizem que no Japão jogam até geladeira no lixo
Por isso a água está imprestável=impotável

Não veja as coisas nem ninguém como lixo

Nada é lixo, tudo é bom=deiscente

Sim, chegara um dia em que todos os livros estarão na internet, mas não os
livros reais. Por isso não joque os livros no lixo. Doe para alguma escola,
quem sabe distribuir no interior dos ônibus ao invés de tocar fogo na sua
biblioteca? JL fez isso tempos atrás, quando tocou fogo na Biblioteca de
Alexandria. O filme "O Nome da Rosa" também fala disso. Não faça isso. E
faça, apenas como experiência, para aprender e, depois de ter apreendido não
faça mais, não repita=continue o gesto=mania. Se persistir, procure um
terapeuta libertário, gente como a psiquiatra Nise Silveira, que soube
preservar=guardar tudo aquilo que foi produzido=criado por um louco de nome
Bispo do Ro sário, coisas que, para muita gente era( e continua sendo) lixo.
Lixo é você!!!!! Desculpe=entenda a minha ira. Nem mesmo você, que vês tudo
como lixo, é lixo. Você precisa apenas consultar um médico libertário.

Então...
Pelo bem das árvores=celulose=papel, não precisemos mais de livros de papel

Mudando de assunto....
No momento são 15:10
Ainda não almocei
Voltei para mexer no texto
Já estava tido como finalizado
Mas ao ler vi coisas erradas
Ai voltei
Por isso, se agora são 15:10, mais pra frente você vai ver que é mais cedo,
ou seja, que o a hora é anterior a este momento

Entenda a bagunça

Não se preocupe com as horas=tempo

Seja livre

Liberte-se das horas=tempo

Seja livre

Converse com seus=suas amigos=amigas

Falando nisso, que tal eu telefonar para meus maiores amigos, que são meus
pais?

Eles são autoridades sim e respeito-os enquanto autoridades mas, antes de
tudo, eles são meus amigos=aliados=protetores, enfim, autoridades=amigas

No momento, até mesmo como parte desta obra, quero falar com meus pais
Há tempo não ouço suas vozes e nem eles ouvem a minha
Como me disse a Danielle, spin terapeuta=libertária, humana, vou ligar pelo
menos para ele ouvirem minha voz
Pelo menos para dizer "oi, to ligando apenas para dizer que to bem! Tchau!"
É o que vou fazer
Afinal de contas tenho até a meia noite para construir=desconstruir este
capítulo
Um capitulo de muitas pausas
Pausas grandes, como essa de agora, que será reservada ao diálogo com duas
grandes micro=macro autoridades
Meus pais com suas vozes=olhos=seres internos=externos
Um momento
10:21

....................PAUSA.................

Agora são 10:23?
Se telefonei? Não
Ele es tão lá em Sambaiba – Rio Balsas, leia-se Maranhão
Porque não liguei?
Porque me perguntei: será que ao ligar vou estar fazendo uma obra de arte?
Isto é um absurdo!!!!!
Falar com os pais enquanto performance=representação!!!!!!!
Não se ligo....
Enfim, porque não consigo ser real?
Será que não sou gente?
Tenho até meia-noite para concluir este capítulo
No próximo sábado, dentro desta obra=construção=desconstrução, estarei no
Açúcar Invertido
Não gostaria de estar lá como obra=personagem
Mas como gente
Não quero estar de burca
Nem quero me alimentar de burca
Não quero
Um momento, já que vou estar realizando uma obra, vou gravar então o meu
bate-papo com meus pais
Vou usar o uol vídeo mail
Nunca enviei vídeo via e-mail
Este vai ser o primeiro
Duração máxima: 60 segundos
Ainda não sei como funciona direito o vídeo mail
Já que est ou com a mão na massa, porque não tentar então?
Não sei se vai funcionar, acho que a uol permite que, se não me engano, no
máximo duas pessoas assistam ao vídeo ao mesmo tempo
Seja o que o spin deus quiser
Um momento
Vou telefonar para meus pais
No momento são 10:33
Agora são 10:35
Se telefonei?
Não
Usei o intervalo para ver como se produz=envia um vídeo-mail
Agora são 10:37
É assim a obra
tudo
..... as pausas são usadas assim......
pausa para se alimentar, pausa para outras coisas que não apenas o escrever,
pois que é assim sempre está voltado todo=unicamente=totalmente para uma
única ação, quando temos que ter a capacidade de, no meu caso, não ficar 24
horas sem intervalo nenhum assim como se fosse rádio.
E quando alguém liga para fugir=sair, vem com mentiras, tipo assim
sempre acha um motivo para não telefonar para os pais
Nem para os amigos
Velhas desculpas vindas não se sabe de onde
talvez desta desta ortonomia, esta variedade de
personagens=nomes=olhos=seres
Eles são tantos...
Fernando Pessoa era ortônimo, vivia atormentado por uma infinidade de
pseudônimos.... Deve ter sofrido tanto!!!! Chapman, que matou John Lennon no
dia 8 de dezembro de 1980, último dia do ano ( no calendário de JL), também
é ortônimo. Quem é assim sofre. Não consegue.Perde-se em
nomes=personagens=realidades=seres. Perde os melhores momentos da sua vida.
Este é o principal traço de um ortônimo. Se perde em seus nomes=olhos=seres
No momento são 10:41
Que tal tentar ligar agora para meus pais?
Eles estão velhos, vivamos o presente. Não sejais incapaz de viver o momento
presente. Jamais deixe de pegar o bonde que está passando ali? Medo de que?
Então faça de conta que, o que fazes, está dentro desta obra=história. Então
vá!!! Entre no bonde=avião=nave!!! Viva cada momento no instante em que ele
se apresenta!!!! Nada se repete!!!! Nem a água do rio que, imagina você, é a
mesma...
Mentira. Á água passa. Agora ela tem um sabor... daqui a pouco tem outro
sabor, já será outra água. Que tal telefonar para seus pais? Pelo menos para
que eles ouçam a tua voz=olho=ser. Só isso. Porque não fazer isso, não por
você mas, mais por eles?
Então ta
Um momento
Agora são 10:45
................PAUSA...........
No momento são 10:48
Liguei mas deu ocupado
Engraçado... agora que quero falar não posso
E se eles tiverem morrido
Comigo é assim
Nunca fico sabendo das mortes dos meus parentes=amigos
Meses depois da morte é que fico sabendo
Isto ocorreu com uma tia minha
Um dia uma prima me telefona
Ela: Oi, Zé, tudo bem?
Eu: tudo bem... Como vai a tia? Ela vai vir para a festa?
Ela (const rangida). Como assim? Zé. Minha mãe morreu já faz muito tempo...
mais de um mês.... Você não sabia?
Eu (constrangido): não...
...............................
Um momento
Vou ligar para meus pais
O sonho de ontem é porque minha mãe quer saber como estou
No momento são 11:00 horas
...................... PAUSA..................
Agora são 11:01
Será que existe uma web cam mais complicada do que esta minha?
É da marca Aipitek
Merece ir pro lixo
Não liguei para os meus pais porque não consegui focalizar a Web Cam para
realizar este vídeo
A tal cam é vertical, tipo celular, então não segura em pé
Na cidade=sociedade de JL, J de José, João, Joaquim.... L de Lutador,
Libertário, esta empresa já teria sido curada=salva de sua doença, ou seja,
da obesidade de seu próprio ego=olho=ser
Teria sido punida por falta de simplicidade
Não a esta arte complicada=refi nada, destituída de qualquer simplicidade
Não à ADS = Arte Destituída de Simplicidade
Seja simples!!!!
Pegue o telefone e ligue para o seus pais, seu JL.... J de José, L de
Lua.... que vive no mundo da lua!!! Totalmente incapaz de viver o momento
presente, de entrar no bonde=trem que passa rápido=veloz... quando o
mundo=tempo é assim
Passa tão veloz!!!!!!!!
Assim
minutosegundograu......segundograu....grau.....grausegundo....grausegundominuto
um minuto para os meus pais...
por que=porque não?
Um minuto para as autoridades, leia-se amigos=aliados
Um minuto para quem gosta de mim
Porque=por que não?
Então é isso
Um minutinho para meus pombinhos
Não às Horas=morte
Um minuto para a vida=realidade
Um minuto para os meus pais=amigos=aliados=protetores
Mensageiros do amor
Um minuto para eles
Um momento
Sem Horas=morte
Sem tempo para terminar=começ ar a conversa=encontro
Que tal telefonar agora
Um minuto para eles
Eles merecem
Eles te construíram, deram=dão a própria vida por ti
E tal como disse Alexandre, eles são capazes de fazer o seguinte convite
"convide-me para morrer com você"
Que tal ligar agora
Posso continuar escrevendo enquanto falo com eles
Não faça isso
Não podes!!!!
Uma atividade de cada vez
Escrever é escrever
Telefonar é telefonar
Amar é amar
Toda a dedicação ao ato, a cada ato da tua vida
Mas não apenas a um ato
Porque não deixar de ser um indivíduo de apenas um ato=ação e começar fazer
outras coisas durantes suas pausas?
Será que, dentro destas 24 horas=minutos=segundos=graus que tens para
construir este capítulo, não podes reservar nenhum cantinho para que teus
pais se alegrem?
Sim... Ontem, na rua, encontrei um raizeiro.... eu disse a ele: estou com
dor de c abeça. Ele: tem esta casca, casca branca, ou KB indiana, amarga até
dizer chega. Esta casa é do tamanho de um dedo mas dá para milhões de
pessoas... vou te dar um pedaço....
E ele me deu um pedacinho, do tamanho de uma vogal minúscula=maiúscula
E coloquei na boca
E a dor de cabeça passou
Aquele micro=macro amigo
Que tal reinventar a amizade com teus pais, com todos que o cercam?
Tens medo de não ser aceito como és, com suas roupas, alegorias, realidade?]
Não interessa
Deixa isso pra lá
Que tal ligar para os teus pais?
Tudo na vida é possível
É impossível reservar um minutinho=tempo=pausa para eles?
Sim
Um momento
Agora vai
Antes vou espreguiçar=relaxar=olhar=ser
No momento são 11:24
....................... PAUSA..................

Agora são 11:29
Se usei a pausa, este 5 minutos, para telefonar para minha mãe, esta
autoridade=amiga=alia da que sonhei=olhei=fui nesta noite?
Não
Usei a pausa para me preparar para telefonar para ela=ele
Barbeei-me, comi uma banana, tomei água, verti=mijei=urinei
E me enfeitei?
Como estou enfeitado?
Com uma marimba=cabaça=fruto
As marimbas têm dois formatos, o masculino e o feminino
Estou usando uma marimba feminina
Falando nisso, sabes como, para ser o mais simples possível, eu poderia
trabalhar=olhar=ser com esta marimba no próximo sábado, dentro desta obra,
até a meia noite, na casa do Edson Barros?
Falando nisso, a minha mãe também é da família Barros
Será que sou parente do Edson Barros?
Os Barros da minha mão=mãe são oriundos de Ribeiro Gonçalves = PI, alias,
Rio Parnaíba
Outros vieram de Caxias = Maranhão, desculpe, não sei o nome do rio que
banha=olha=é Caxias
Os meus avós maternos moravam na roça, um lugarejo chamado Cocos de
Aparecida, uma fazenda tipo oásis incrustada no sul do maranhão, perto de
Sambaiba-Rio Balsas
Meu pai não deixava a gente sair muito não
Mas nas poucas vezes que me foi permitido sair de casa, também na roça, uma
fazenda chamada Bananeiras, fui à casa da minha avó... ah, fazendo é só a
forma de falar... era sertão mesmo... do brabo.... sem água doce... sem
médico.... sem nada... gente diferente? somente um padre italiano, de vez em
quando, uma vez por ano
Havia também as festas do santo reis, a bandeira do divino espírito santo,
vermelha, tremulando lá de longe, a minha mãe chorando... não sei por causa
do espetáculo ou por causa da minha avó, que havia morrido poucos dias
Quanto a ir para a casa da minha avó isto era um sonho... uma festa... o
carinho dos meus parentes... gente afetiva... a maioria deles hoje mora em
Gurupi – Tocantins, não sei o nome do rio que banha esta realidade=cidade de
G urupi
Também ia às rezas, uma rezadeiras cantando=rezando em latim... E tinha
medo dos encaretados nas festas do Santo Reis...Tremia de medo, não saia de
casa.. e no natal ficava esperando, em vão, a chegada de Papai Noel com seus
presentes
Para mim, era um universo grande aquilo ali..quando meu pais nos levou para
Sambaíba – Rio Balsas, a cidade mais próxima, levei um choque quando vi o
rio. Foi colocado toda a mudança, objetos e mais objetos, inclusive uma
cotia ( que morreu na estrada) e meus pais mais uns 9 filhos. Tudo=todos
naquela canoa. Tive pavor daquela imensidão de água. Ninguém sabia nadar. A
canoa, de tão lotada, por pouco não afundou. Ninguém com salva-vida.
Escapamos por um triz.
Na cidade, vi carro pela primeira vez. Lembro-me que era um Jeep. O carro
veio buscar a minha mãe para dar à luz a Sandia. A minha mãe com aquele
barrigão enorme, aquele tanto de gente , todos arranchados na casa do tio
Santana, depois mudamos para uma casa de palha, a qual teve um princípio de
incêndio quando brinquei com fogo ao imitar os artistas de um circo, cujo
ingresso ganhei por ter acompanhado o palhaço na divulgação do circo.
Andando pelas ruas, o palhaço cantava "oi dona mariquinha, (...) entrou
ai..". E a molecada respondia "entrou entrou e tornou sair...". Ao final do
passeio éramos marcados com um carimbo. Era o ingresso no circo. E quando o
circo ia embora, eu danava a imitar=repetir cada apresentação, da rumbeira
ao cuspidor de fogos. E assim andava sobre arames, jogava facas em direção a
alvos humanos, cuspia fogos e, foi neste lance de cuspir fogo que, por
pouco, a casa não pegou fogo. O fogo começou a se alastrar e, por sorte,
havia água por perto e consegui apagar o fogo.
Voltando ao assunto do carro... era por volta de 13 horas... eu estava
d entro de casa quando ouvi um barulho que nunca havia escutado na minha
vida. Corri para fora quando me deparei com aquela coisa de olhos enormes.
Era os olhos=faróis do carro, um Jeep. Ele tinha vindo buscar minha mãe.
Quando vi aquela coisa de olhos tão grandes levando a minha mãe é como se
ela estivesse sendo levada para o cemitério.
No momento são 12:04
.......................... PAUSA...............
Agora são 12:25
Pronto... telefonei para os meus pais
Antes, liguei para a minha irmã A=Anastázia
Eu: qual é o número do telefone lá de casa?
Ela: 35441033, liga o número 14 e mais 99 antes...
(minutos depois)
Eu: oi,
Ele: quem é?
Eu: é o zé.. tudo bom, Abel? ( Abel é um sujeito que apareceu lá em casa,
filho de um tocador. Chegou e arranjou. Os meus pais o têm como um filho.
Ele tem os meus pais como seus pais. Isto é bom. Abel, você quem vem para
Palmas ( e m Palmas – Rio Tocantins haverá mais um encontro de todos os
parentes, mais um encontro...é um momento de confraternização .... arte em
família... pinta de tudo: católico, evangélico, ateu, beberrão, ator, atriz,
escritor, etc. Nunca perdi um). Abel, quem ta aí? A tua mãe ta aqui, ao meu
lado. Deixa eu conversar com ela?
......................
E converso com a minha mãe, nós falamos de tudo, inclusive de arte, o que
ela adora. Falou do Luzimar, um amigo.
Ela: o Luzimar está fazendo bordados...
Eu: Ele ta ai?
Ela: não... ele ta na cidade...
Eu: gostaria de falar com ele, diga a ele que estou com saudade dele.
Ela: ta. (...). O papai ta aí?
Ela: ta aqui ao meu lado... (vou passar o telefone para ele)
Eu: oi pai, tudo bem?
Ele (com a voz sumida=pequena e ouvindo com dificuldade, devido a idade):
oi, meu filho, como você está?
Eu: tudo bem, pai. Aqui ta chovendo muito. E aí?
Ele: aqui também, há dias que chove
Eu: isto é no país=pais inteiro, acho que sim (...)
...................
Pronto
Nenhum segredo
Porque não incluir meus pais na minha história
Agora consegui
Obrigado(a),
Até que enfim
E filmei
Fiz uma obra de arte
Estou enviando o vídeo
Vou enviar agora
Não estou nem ai para este lance de meia noite
Se for o caso, começo o capítulo 3
Acho que se eu não enviar o vídeo agora, não tem como enviar depois
Não sei se vai dar certo
Então vou enviar agora
E vou enviar, pela primeira vez, meus textos para meus familiares
Era um segredo=burka=burca=máscara=busca
Agora não é
Bjs
José Carlos Lima
Goiânia – Rio Meia Ponte
Para não receber o próximo capítulo responda com cancelar

Em tempo: vou ter que ligar de novo para os meus pais
Assim como no sonho desta noite onde repetia um gesto numa performance, tipo
voltar para ver se seria aceito assim
Como sou
Com meus vestes
Meu corpo=olho=ser
Com esta alegoria=realidade
O vídeo se perdeu porque deixei de clicar na opção banda larga (qualidade do
vídeo)
Então vou ligar de novo
Falar o que?
Falar o que esqueci, ou seja, esqueci de pedi benção à minha mãe...
Eu pedi benção só para meu pai e ele disse "Deus te abençoe"
Agora vou ligar para pedir benção para a minha mãe
E gravar o vídeo
No momento são 12:49
........................ PAUSA...................













..............................


O telefone dos meus pais é (99)-3544-1033, acho que é esse
Tem um outro, (99)-3544-1063
Este números, um é dos meus pais e o outro de minha irmã
Não tem cabimento... não sei o número do telefone dos meus pais?
. .................................... FIM DO TEXTO......................
No momento são 15:18
Estou de volta
Eu havia parado para revisar o texto acima
Sei lá, tornar um pouco mais legível
Às vezes escrevo coisas que nem mesmo eu entendo=suporto
Muitas vezes já enviei aí não tem como consertar=retificar
Daí a importância de ter até meia noite para clicar
O problema é adoro o clique
É tão fácil
Não faça isso antes da meia noite!!!!
Isto é um pecado=atrofia
Procure um médico libertário, assim como Nise Silveira, spin psiquiatra,
humana
Ela deixaria você clicar em enviar
Como experiência=aprendizado
Sei que se eu clicar em enviar, como o capítulo 2 terá sido dado como
encerrado, vou querer começar o capítulo seguinte=3. E enviando o capítulo
vou querer enviar, hoje mesmo, o quarto capítulo desta obra.
Não faça isso?
Isto se chama ansiedade.
Q ue tal parar para almoçar?
Desligue este computado
Tudo bem
Ainda nem almocei!!!!
No momento são 15:23
Os meus irmãos=irmãs me telefonaram mais cedo para eu ir para lá almoçar com
eles
Assim disse o Giovane: vem almoçar aqui com a gente... tu ta fazendo o que?
Porque não vem? É galinha caipira...
Eu( mentindo): não posso.... está chovendo muito...
..................
E assim não fui
E assim to sem almoço até agora
Domingo passado eles trouxeram o almoço aqui
Coisa da Dominique, uma prima... O nome dela era Domingas... Sentiu-se
infeliz com o nome e mudou para Dominique. Foi ao cartório e fez a mudança.
Trata-se de uma grande amiga=aliada de JL, em todos os momentos, inclusive
naqueles de tocar fogo em bibliotecas=casas=templos=igrejas. Ela tem o
corpo marcado=cicatrizes de fogo. Já fez várias plásticas=retificações.
Minha família é assim....
Ela sabe que não tomo remédio. Já eram mais de 24 horas, isto no domingo
passado, quando repeti o gesto de hoje, ficar escrevendo sem atentar para o
mundo lá fora. Escrevendo até no corpo=mãos=olhos=seres.
Ela: vem almoçar aqui. Quero te ver.
Eu: não posso. Tenho que preparar uma obra para apresentar no Açúcar
Invertido.
Ela: se você não vem eu vou aí. Vou aí.
Eu: você vem mesmo?
Ela: vou. Vou levar almoço e remédio para você.
Eu: Remédio só se for amargo=natural.
Ela: tudo bem. Aqui tem um, acho que o nome é "gotinhas do zé"
Eu: então ta...
( almocei, tomei o remédio e, depois que vou olhar que remédio eu havia
tomado é que vi que não era nada de gotinhas do zé, mas um remédio apontado
recentemente como prejudicial ao fígado, o paracetamol. No dia seguinte, de
fato eu estava com o fígado atacado. Mas tudo bem. Fazer o que?)
No momento são 15:33
Agora sim, vou parar, vou sair por aí, não vou clicar no enviar agora. Vou
fazer isto antes da meia noite de hoje. Enquanto isso, todos os meus
gestos=ações que ocorrerem até lá estarão fazendo parte desta obra. Em forma
de pausa. E posso, ao retornar, talvez depois da meia noite, ou amanhã,
apenas enviar dando, como encerrada, esta obra.
Não suporto.
Vou enviar agora, desculpe-me=entenda o meu pecado=atrofia=olho=ser. Prometo
que, por uma questão de não romper=estragar a obra, não vou começar=abrir o
próximo capítulo. Se eu enviar mais alguma coisa que eu tenha
escrito=vivido=olhado=sido até a meia noite, veja tal registro como parte
deste capítulo 2.
Não quero. Cadê minha autonomia?
Ah, não consegui produzi o vídeo. Resolvi o problema salvando a tela
contendo a imagem. Apertei nas teclas "Ctrl + Print Screen SysRq".
De forma que, ao invés de vídeo, estou enviando apenas uma espé cie de
fotografia do vídeo.
Vou clicar no enviar e vou para a Igreja rezar
Para um lugar qualquer, quem sabe para o cinema?
Assim, fico livre de escrever antes da meia noite
Enfim, para evitar nova escrita, vou retornar à meia noite
Bjs
José Carlos Lima
No momento são 15:43
Responda com cancelar para não receber o próximo capítulo




.....................

_________________________________________________________________
Chegou o que faltava: MSN Acesso Grátis. Instale Já!
http://www.msn.com.br/discador

Nenhum comentário: